40 dias de quaresma: Sexta-feira da semana V

“Se você dormiu bem, se você comeu bem
Se você quer o bem de uma boa pessoa...
Nessas manhãs de frio, quando a geada pinta a grama,
E o azul do céu é de uma beleza que caçoa.
Quando nada, nada, te faria tirar o pijama ...
É a voz  do teu amor que chama agora...”

 

A Banda Mais Bonita da Cidade

©Javi Inchusta

©Javi Inchusta

 

“Pouco a pouco, acostumamo-nos a escutar e a ver, pelos meios de comunicação, as notícias da sociedade contemporânea apresentadas quase com uma alegria perversa… O drama está nas ruas, nos bairros e nas nossas casas; e porque não nos nossos corações? (…)

A Quaresma apresenta-se-nos como grito de verdade e esperança, uma vez que vem respondendo que sim, que não é necessário maquilharmo-nos, desenhar sorrisos de plásticos como se nada tivesse acontecido. Sim, é possível que tudo seja novo e diferente, porque Deus continua a ser “rico em bondade e misericórdia, sempre pronto a perdoar” e encoraja-nos a começar sempre. Hoje, novamente somos convidados a realizar uma peregrinação Pascal para a vida, caminho que inclui a cruz e a renúncia; que vai ser desconfortável, mas não estéril. Somos convidados a reconhecer que algo não está bem em nós mesmos, na sociedade ou até mesmo na Igreja para que nos possamos converter”.

In Mensagem quaresmal do Cardeal Bergoglio, Papa Francisco

Que voz esta, a do Teu amor, que nos acorda, nos desperta, nos desafia!!! Que nos pede que olhemos uns pelos outros… Que nos grita por uma Igreja pobre para os pobres… Que, como a Francisco, nos chama a reparar as nossas ruínas… Que nos recorda que pelas obras acreditarão que vives em nós…

Hoje é um Bom Dia para ESCUTAR A VOZ DO TEU AMOR… e recomeçar!!!

Mensagem quaresmal do cardeal de Buenos Aires

A comunidade iMissio continua a partilhar alguns dos escritos do Papa Francisco com o intuito de o melhor conhecermos. Hoje apresentamos a última Mensagem quaresmal do  cardeal Jorge Mario Bergoglio (papa Francisco)
Buenos Aires, 13.2.2013, Quarta-feira de Cinzas.

Como síntese selecionamos este pensamento de São João Crisóstomo: «Nenhum ato de virtude pode ser grande se dele não resulta proveito para os outros… Assim pois, por mais que passes o dia em jejuns, por mais que durmas sobre o chão duro, e comas cinza, e suspires continuamente, se não fazes bem a outros, não fazes nada grande».

©Enrique Garcia Medina

©Enrique Garcia Medina

Continuar a ler

40 dias de quaresma: Quinta-feira da semana V

Sei que posso fazer tudo,
 Mas nem tudo me convém
 Tenho liberdade p'ra viver
 A minha vida mal ou bem.
 Sei que posso fazer tudo,
 Mas nem tudo me convém.
 O que escolho fazer hoje
 Vou vivê-lo amanhã.

Sara Tavares, Escolhas

© Mário Dias

© Mário Dias

«Se Eu me glorificar a mim mesmo, a minha glória nada valerá. Quem me glorifica é o meu Pai, de quem dizeis: ‘É o nosso Deus'; e, no entanto, não o conheceis. Eu é que o conheço; se dissesse que não o conhecia, seria como vós: um mentiroso. Mas Eu conheço-o e observo a sua palavra. Abraão, vosso pai, exultou pensando em ver o meu dia; viu-o e ficou feliz.» Jo 8, 54-56

40 dias de quaresma: Quarta-feira da semana V

Se não somos cegos
se não somos surdos
se formos abertos
podemos compreender
que os nossos interesses 
são múltiplos,
infinitos
que se sobrepõem
e se lateralizam
numa multiplicação constante
que nos torna pertença do mundo
e nos proíbe de olhar só para nós
enquanto andarmos por aqui
entre o céu e o chão.

Tim, Entre o céu e o chão

© JC Vogt

© JC Vogt

“Não que já o tenha alcançado ou já seja perfeito; mas corro, para ver se o alcanço, já que fui alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, não me julgo como se já o tivesse alcançado. Mas uma coisa faço: esquecendo-me daquilo que está para trás e lançando-me para o que vem à frente, corro em direcção à meta, para o prémio a que Deus, lá do alto, nos chama em Cristo Jesus”. (Filipenses 3, 12-14)

 

Quaresma na história

©Ravi S R

©Ravi S R

Quaresma é um tempo do Ano litúrgico preparatório da Páscoa, a grande celebração. Atualmente a Quaresma vai da Quarta-feira de Cinzas até Quinta-feira Santa, excluindo a Missa da Ceia do Senhor, que já pertence ao Tríduo Pascal.

Até ao século III, viviam-se tempos de perseguição e martírio (penitência quotidiana), não havia o período de preparação para a Páscoa. Os primeiros cristão davam grande importância ao tempo pascal, desde a Ressurreição ao Pentecostes.
É no século IV, com o Concílio de Niceia (ano 325) que temos a primeira referencia à Quaresma. Inicialmente durava 3 semanas, mas depois, em Roma, foi alargada a 6 semanas (40 dias), com início no atual I Domingo da Quaresma (na altura denominadoQuadragesima die, entenda-se quadragésimo dia anterior à Páscoa). Havia uma grande tónica batismal: catequese, escuta da Palavra, oração, que preparava os catecúmenos para o batismo a receber na Vigília Pascal.
O termo Quadragesima (que deu a nossa “Quaresma”) passou depois a designar a duração dos 40 dias evocativos do jejum de Jesus Cristo no deserto a preparar-se para a vida pública. Como, tradicionalmente, aos domingos nunca se jejuou, foi necessário acrescentar alguns dias para se perfazerem os 40. Daí a antecipação do início da Quarema para a Quarta-Feira de Cinzas.
O Concílio de Trento prescreveu que a Quaresma fosse um tempo de grande pregação da Palavra para catequização do Povo de Deus. A Palavra levará à conversão e à receção dos sacramentos. Conduzirá a uma vida mais evangélica.
O Concílio
Vaticano II suprimiu quase todas as festas dos Santos no tempo quaresmal, determinou novas leituras para a liturgia diária, enriqueceu o ritual da penitência, das celebrações penitenciais, e deu orientações pastorais e espirituais para a Quaresma, sem esquecer o sentido do jejum, da abstinência, da caridade, etc.
O papa Emérito Bento XVI na sua última Mensagem para a quaresma diz-nos que o “tempo de Quaresma, em que nos preparamos para celebrar o evento da Cruz e da Ressurreição, no qual o Amor de Deus redimiu o mundo e iluminou a história, desejo a todos vós que vivais este tempo precioso reavivando a fé em Jesus Cristo, para entrar no seu próprio circuito de amor ao Pai e a cada irmão e irmã que encontramos na nossa vida”.
Continuemos a fazer da Quaresma um tempo de preparação para a Celebração da Páscoa, através da penitência, jejum e oração.

Texto escrito para a Revista Online O Teu Espaço

Continuar a ler

40 dias de quaresma: Segunda-feira da semana V

"Parasse a vida
Um passo atrás
Quis-me capaz
Dos erros renascer em ti
E se inventado, o teu sorriso for
Fui inventor
Criei um paraíso assim
Algo me diz que há mais amor aqui(…)"

Primavera, The Gift

©Catarina Pereira

©Catarina Pereira

No quinto domingo desta quaresma fomos desafiados a reconhecer nossos pecados, a acolher as nossas fragilidades e as dos que caminham connosco, em face de mais uma manifestação do poder libertador do agir misericordioso de Deus, através dos gestos e palavra de Jesus.

Deus ama-nos incondicionalmente e esse amor conduz-nos à vida nova, à ressurreição.

Nesta reta final da caminhada em direção à Páscoa, este fim de semana constitui-se como um forte apelo à conversão. A conversão do coração significa mudança de orientação de vida. Ora, exige-se mudança radical quando a pessoa se encontra desviada do caminho do amor a Deus e aos irmãos, centrada em si mesma e “com as mãos repletas de pedras”.

A Quaresma é um tempo para cuidar de nosso coração, libertando-o daquilo que o destrói, da agressividade do julgamento e do rancor. Permitamos que a misericórdia toque nossos corações!

Este é o tempo de cuidarmos do nosso CORAÇÃO. Deus desafia-nos à superação de todas as realidades que nos escravizam e sublinha esse desafio com o seu amor e a sua misericórdia, convidando-nos a despir as roupagens da hipocrisia e da intolerância, para vestir as do amor, “dos erros renascer em ti”.

40 dias de quaresma: Domingo V da quaresma

Na reta final da Quaresma, somos mais uma vez convidados a reordenar as nossas vidas na pessoa de Jesus. Para isso, há que converter e transformar o que nos impede de ser autênticos cristãos, de deitar fora o «lixo» que ocupa o lugar de Cristo.

No longo desterro da Babilónia, o povo de Israel começou a perder a esperança de regressar à Terra Prometida. Os anos passavam e cada vez parecia mais distante o tempo de felicidade em que Deus cuidava do seu povo. É neste contexto que o profeta Isaías traz à memória dessa gente a Páscoa judaica, a saída do Egipto e a libertação do povo opressor. Há que acreditar que Deus virá novamente para cuidar daqueles que ama. A melhor maneira de preparar esse dia que há-de vir é começar a predispor-se interiormente para acolher o Senhor. Do mesmo modo, também nós, tantas vezes, nos deixamos abater pelas dificuldades, por uma doença inesperada, pela perda do posto de trabalho, por uma relação difícil de gerir. Muitas vezes, o ânimo para seguir em frente está no saber rever a história com um olhar cristão que reconhece a presença constante de Cristo no meio de tudo. O que num momento se vive de menos bom, pode ser uma oportunidade de reordenar a vida, tirar o que está a mais para centrá-la no essencial.

É isto que nos diz S. Paulo na segunda leitura de hoje, que considera como «lixo» aquelas leis e prescrições judaicas que não o deixavam aderir plenamente a Cristo. No confronto com os judeus, que absolutizavam as regras exteriores, não teme em não ser «politicamente correcto» quando se trata de defender a sua identidade cristã. Nem sempre é fácil defendermos aquilo em que acreditamos no trabalho, no grupo de amigos, na sociedade em geral, mas não nos podemos desculpabilizar por isso. A Igreja precisa do nosso testemunho. Este tempo de Quaresma pode ser uma oportunidade de avaliar a minha forma cristã de estar no mundo.

Jesus não Se deixava levar pelas «modas» quando se tratava de salvar a dignidade do ser humano e de anunciar o amor e a compaixão de Deus. Por isso, quando é interpelado pelos escribas e fariseus sobre o cumprimento da Lei relativamente à mulher adúltera, não procura uma saída diplomática que não O comprometa, mas diz abertamente: «Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra». Diante da intolerância e da hipocrisia dos homens que julgam sem piedade, Jesus apela à misericórdia e à solidariedade, pois ninguém é perfeito e isento do pecado e do erro. Embora se deva condenar o mal e as estruturas que o provocam, não se devem julgar as pessoas pelas aparências exteriores, tantas vezes vítimas de sistemas corruptos e enganadores. Desaparecidos os acusadores, fica apenas em cena Jesus e a mulher. É então que Ele Se revela o verdadeiro Juiz de Deus que vem para libertar o homem da escravidão do pecado: «Ninguém te condenou? (…) Nem eu te condeno. Vai e não tornes a pecar».

Meditação Apostolado da Oração.

Domingo V da Quaresma

DEUS NÃO TEM PLANOS, TEM SURPRESAS!

Image1. A «caminhada« quaresmal aproxima-se da sua meta e do seu verdadeiro ponto de partida: a Cruz Gloriosa onde resplandece para sempre o Rosto do imenso, indizível, surpreendente amor de Deus. Nesta altura do percurso (supõe-se que encetámos uma subida espiritual: entenda-se no Espírito Santo e com o Espírito Santo), baptizados e catecúmenos devem estar já a ser Iluminados por essa luz, a ponto de se desfazerem das «obras das trevas» e de abraçarem as «obras da Luz», como verdadeiros discípulos que seguem o Mestre até ao fim, que é também o princípio, a Fonte da Vida verdadeira donde jorra o Espírito Santo (sempre Actos 2,32-33; João 19,30 e 34; 7,37-39). Os catecúmenos têm neste Domingo V da Quaresma os seus terceiros «escrutínios»: última «chamada» para a Liberdade antes da Noite Pascal Baptismal.

 2. Deus não tem planos, tem surpresas. É, portanto, sempre desmedido e surpreendente quanto vem de Deus. Brota do excesso de Deus, que supera em muito as nossas necessidades e capacidades. Aí está, neste Domingo V da Quaresma, a imensa lição do Evangelho de João 8,1-11. Esta passagem parece uma incrustação no IV Evangelho, pois interrompe o discurso de Jesus durante a Festa das Tendas (7,1-8,59), não aparece nos manuscritos mais antigos e nos códices antigos mais importantes dos Evangelhos, nem nos Padres gregos. Omitem-na nos seus comentários Orígenes, João Crisóstomo, Teodoro de Mopsuéstia, Cirilo de Alexandria, Teófilo, Tertuliano, Cipriano, Hilário e Taciano. Os Padres latinos Ambrósio, Agostinho e Jerónimo conhecem-na noutro lugar. Alguns manuscritos situam esta perícope no Evangelho de João depois de 7,36, outros depois de 7,44, outros depois de 7,52, ou mesmo no final, depois de 21,25. Outros ainda introduzem-na no Evangelho de Lucas (depois de 21,38). Por outro lado, a perícope não tem o estilo joanino. Está, de facto, mais perto do estilo lucano.

 3. Fixemos a nossa atenção no movimento do texto. Jesus SENTA-SE como MESTRE, para ensinar, e SENTADO como MESTRE permanece na cena até ao fim. Apenas se inclina para o chão, e de novo se endireita, nunca deixando, porém, a posição de SENTADO. Portanto, permanecendo SENTADO, está sempre na cátedra a ensinar. Nele tudo é lição. São lição os seus gestos; são lição as suas palavras.

 4. Entram na cena os «impecáveis» do costume: os escribas e os fariseus. Desta vez não vêm sós. Trazem uma mulher apanhada em flagrante adultério. Eles conhecem a Lei de Moisés, que citam a propósito, para dizer que tais mulheres devem ser apedrejadas. Mas, roídos de malícia, querem saber o que, sobre este assunto preciso, tem a dizer o MESTRE Jesus. Só isto: permanecendo SENTADO como MESTRE, inclinou-se, e, COM O DEDO, escrevia no chão. Continuar a ler

40 dias de quaresma: Sábado da semana IV

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os velhos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”  Fernando Pessoa

 

 

40 dias de quaresma: Sexta-feira da semana IV

A Beleza da fé!

©Enrique Garcia Medina

©Enrique Garcia Medina

 

Sorri sem um motivo
 Ama como se fosses uma criança
 Sorri, não importa o que digam de ti
Porque a vida é bonita desse modo!
Espera, antes de fechares a cortina
 Ainda há outro jogo para jogar
 E a vida é bonita desse modo!
Agora, que estás lá fora por conta própria,
 lembra-te: o que é real e o que sonhamos é só o amor
Mantém o sorriso nos teus olhos
 Prontamente, vais ganhar o prémio tão esperado
 Abandona a tristeza
 Visualiza o dia mais brilhante
 Porque a vida é bonita desse modo!

(Noa, cantora israelita)