Jorge Mario Bergoglio, o novo Roncalli?

©AFP[ihu|14/mar/2013]Jovem, com boa saúde e reformador. Até agora, essas pareciam ser as premissas inevitáveis para começar a buscar o novo papa. Mas, no fim, a primeira condição parece ter perdido importância e ganhou pontos a tríade de reformador, mais velho e com poucos defeitos. Busca-se um novoRoncalli, papel que pode ser encarnado pelo novo papa, Francisco, o argentinoJorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, que se assemelha em muitas coisas ao Papa Bom, menos na aparência.

Mais alto e menos gordo do que João XXIII, o papa platense não saiu nas loterias em torno dos papáveis. Mas, devido ao bloqueio entre o “partido romano” dos curiais e o “partido reformista” dos estrangeiros, especialmente norte-americanos e alemães, a opção pelo argentino parece ter se revelado providencial.

Bergoglio já havia conquistado muitos votos no conclave anterior e se converteu no favorito do setor moderado-progressista e, portanto, no principal rival de Ratzinger. Tanto que, segundo algumas indiscrições, o purpurado jesuíta havia se levantado no conclave para pedir que os cardeais, entre lágrimas, não seguissem votando nele.

À época, o argentino tinha 70 anos. Passados quase oito anos, Bergoglio completou 77 anos e se encaixa perfeitamente no clichê de papa mais velho e de transição. Ele também não conhece graves doenças e pode assumir perfeitamente o papel de papa reformador pelo qual suspira a grande maioria do conclave… e do povo de Deus.

Ninguém duvida de que o purpurado argentino tem caráter. Como diz o irmão Ricardo Corleto, agostiniano recoleto de passagem por Roma, “é um homem tão honrado e tão íntegro que nem sequer o governo Kirchner pôde encontrar mancha alguma em sua vida, apesar de tê-la procurado com grande diligência”.

A prioridade: mudar a Cúria

Jesuíta reto, dialogante, simples e sumamente austero, ele viaja de metrô ou de ônibus por Buenos Aires e não gosta de que lhe chamem de eminência. Quando lhe perguntam sobre como devem se dirigir a ele, ele sempre responde dizendo: padre Bergoglio.

Capaz, inteligente, profundamente espiritual e homem de uma sólida personalidade, ele não recuaria no momento de pôr a Cúria Romana na linha ou de reformá-la profundamente. Uma das tarefas que todos os cardeais parecem considerar como prioridade no trabalho do novo papa. A Igreja joga nisso a sua credibilidade social tão danificada ultimamente por todos os escândalos do Vatileaks.

Uma reforma de fundo, que busque uma maior colegialidade e resgate do ostracismo a sinodalidade já apontada noVaticano II. Como diz o cardeal Kasper, outro emérito de prestígio, “a Igreja precisa de transparência e de colegialidade. É preciso sair do cerco do centralismo romano”. E acrescenta: “Mudar a Curia é uma prioridade”.

Com Bergoglio no sólio pontifício, a Igreja não só poderia ganhar um novo Roncalli, mas também daria um salto epocal para o outro lado do Atlântico. Isto é, nas mãos de um papável confiável, com experiência, decidido, daqueles que não tremem o pulso, “limpo” e com audácia para terminar a limpeza que Bento XVI não pôde ou não o deixaram fazer: o IOR, o Banco do Vaticano e a Cúria. Um novo Roncalli do Cone Sul com raízes turinenses. Um jesuíta para reformar a Igreja.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s