Tolentino de Mendonça: “A Igreja não precisa só de correcção, precisa de inspiração”

Para o poeta e teólogo, o novo Papa inspirou-se em Francisco de Assis para mudar através do carisma e da inspiração uma Igreja que está preparada para a mudança.

©RUI GAUDÊNCIO

©RUI GAUDÊNCIO

Poeta, professor de Teologia. vice-reitor da Universidade Católica, responsável pela Capela do Rato e da Pastoral da Cultural, José Tolentino de Mendonça diz que a Igreja Católica está preparada para a mudança e que o Papa Francisco está pronto a transformá-la através do carisma. Nesta entrevista, identifica as cinco mudanças que considera prioritárias para a Igreja, revisita as polémicas em torno do passado do cardeal Bergoglio, a relevância de um Papa latino-americano e a relação entre a Igreja e a crise da Europa. O escritor que escreveu um poema para Bento XVI diz que já está a ouvir o poema que o Papa Francisco começou a escrever.

Como é que viveu esta primeira semana de pontificado do Papa Francisco?

Com uma alegria muito grande e com a sensação que a Primavera chegou antes do dia 21. Em cada dia havia pequenos sinais, como quando chega a Primavera. Uma árvore que começa a florir, uma planta que começa a florescer. É uma política de sinais que constitui um entusiasmo grande e de que a Igreja precisava.

E que sinais são esses?

São sobretudo sinais de estilo que numa cultura como a católica são muito importantes, porque o estilo nunca é apenas a forma, é a tradução de um carisma e de uma vivência mais funda. E claramente nos sinais, nos pequenos detalhes de protocolo ou de vestuário, isso acaba por ter uma densidade muito maior do que noutras gramáticas.

E esses sinais que o Papa Francisco foi dando prenunciam uma Primavera para a Igreja Católica?

Como é que a Igreja muda? É quando o carisma se sobrepõe à instituição. Mas as verdadeiras mudanças na Igreja não são apenas correcções ou reformas institucionais. É sempre através do carisma que há uma espécie de inspiração, de contaminação e depois a organização propriamente dita acaba por ir por arrasto. Estes sinais são muito importantes, por serem não da ordem do institucional mas do simbólico. Claro que ainda é cedo. Como diz o Papa Francisco, ainda temos que nos sentar juntos. Mas já há um protocolo de relação que está a ser redefinido que mostra que há uma vontade de simplificar, de um regresso a um carisma original e isso vai ter um impacto grande nestes tempos da Igreja, que de certa forma está preparada para a mudança.

E que mudança é preciso ser feita?

Antes de tudo, penso que é uma mudança inspiradora. O Papa João Paulo II introduziu um conceito, que Bento XVI continuou, e que há-de marcar este pontificado, que é a nova evangelização. Entrámos num período de grande reconfiguração do catolicismo, das suas práticas, da sua inscrição, no território e na cultura e isso precisa de ser acompanhado por propostas que dialoguem com as novas interrogações e ao mesmo tempo sejam capazes de levar a Igreja a um novo ciclo. A ideia de nova evangelização é uma resposta a esta necessidade de reconfigurar mas já João Paulo II falava da necessidade de um novo ardor. Como é que a Igreja terá capacidade de se reinventar? É sempre a partir de dentro, de uma experiência espiritual forte, profética, que ela se vai tornar mais adequada à sua vocação e missão. Nesse sentido, o Papa Francisco pode desempenhar um papel muito importante, como estes primeiros dias têm mostrado, porque a aposta dele é a de gerar modelos de inspiração. Ele não se apresentou como um gestor de dificuldades mas sim à sombra de um inspirador icónico que é Francisco de Assis, que reforma pelo seu exemplo, pelo seu testemunho e ao mesmo tempo introduz uma radicalidade na proposta cristã que a relança.

João Paulo II avançou com a nova evangelização, mas ela não foi suficiente para travar o declínio do catolicismo na Europa. Isso não significa que é preciso algo mais?

Os tempos da Igreja são muito específicos. O que se percebe é que estamos numa fractura da história, numa grande mudança epocal. Estamos à beira de um tempo novo e há muitos traços dessa novidade do mundo. Um deles é a globalização. Isso cria grandes possibilidades e grandes tensões. João Paulo II teve esse carisma de ser um peregrino global, de querer abraçar o mundo e mostrar uma das originalidades do cristianismo, que é ser uma proposta universal. Ele mostrou a vitalidade do cristianismo fora do contexto europeu. Teve um papel providencial na queda do bloco soviético mas o seu sonho era uma Europa do Atlântico aos Urais, que hoje é uma utopia adiada. Ainda é cedo para avaliar o contributo de Bento XVI, que fez uma aposta sobretudo na Europa. Mas algumas coisas são já evidentes. A valorização do papel da razão é muito um diálogo com a própria Europa, que significa dizer que o cristianismo deriva do judaísmo e da tradição messiânica de Israel mas também deriva de Atenas e de toda a tradição filosófica.

Bento XVI mudou a inscrição cultural do cristianismo a que se referia há pouco?

Ele trabalhou o estatuto de cidadania do cristianismo na Europa que foi muito relativizado, como aconteceu quando não se quis colocar uma referência ao cristianismo na constituição europeia. A Europa distanciou-se culturalmente do cristianismo.Bento XVI, com o seu vigor e autoridade, mostrou como a história da Europa é indissociável do cristianismo, o que é fecundo para ambas as partes. Todo o património dos direitos humanos é também uma consequência do espírito do cristianismo e tudo o que a Europa é de busca de razão, de liberdade, de afirmação da consciência individual, é uma matriz inequívoca do património cristão e que hoje tem de fecundar o património religioso, porque a religião não é uma opção irracional. Bento XVI foi possivelmente o último Papa europeu, no sentido de um europeísta, de alguém que acredita no património da Europa. O Papa Francisco é alguém que já vem de outro contexto, que sem dúvida vai dialogar muito com a Europa, mas já como uma exterioridade, ajudando a Europa a fazer uma viagem, a colocar-se outro tipo de questões.

Falou no carisma como inspiração para a mudança. O gesto sem precedente da renúncia de Bento XVI não tornou uma mudança na Igreja incontornável?

O gesto da renúncia é um intensificador da mudança.

Há quem a veja como um abandono.

Um homem como Ratzinger não é um homem de abandonos, é um homem de causas e de combate, com uma grande fidelidade às suas convicções e ao papel que lhe foi confiado. Não se tratou de um abandono mas de uma percepção de que este momento precisa de uma intensificação do carisma, de uma força nova para dialogar com a necessidade de mudança. O seu gesto é ao mesmo tempo de uma grandeza humana muito grande, porque é um homem sozinho a decidir e contraria uma tradição de séculos. Mas ao mesmo tempo é uma decisão com o coração na comunidade, com a percepção muito clara que são precisos novos tempos.

A Europa católica é muito diferente da de África ou do continente americano. Até que ponto esta Europa, mais aberta e racional, não vai perder com a vinda de Francisco?

Eu ouvi um debate na televisão italiana, aquando da renúncia de Bento XVI, com o filósofo Massimo Cacciari, que dizendo-se agnóstico tem mantido um diálogo permanente com o espaço católico. Ele defendia precisamente que o próximo Papa devia ser um europeu, porque a Igreja não podia desistir da Europa, que vai continuar a ser um espaço natural e privilegiado da construção cristã. Mas agora a Europa precisa de uma exterioridade, de olhares para lá de si mesma, de pontos de fuga. A incapacidade de sondar futuro, de perceber qual o seu destino nos vários domínios é tamanha que nós europeus sentimos este momento quase como o fim da nossa história, quando com certeza é só um momento de passagem. Mas não conseguimos ver. Sentimos que a Europa chegou a um ponto de estagnação e há que rasgar as fronteiras da própria Europa e no fundo este regresso simbólico das caravelas é um regresso de que precisamos para nos confrontarmos com o outro e não vivermos nesta espécie de labirinto em que estamos colocados.

Vê o Papa Bergoglio como um cruzamento entre a tradição jesuíta e a tradição franciscana?

Há uma biografia do cardeal Bergoglio que se chama precisamente O Jesuíta. A interpretação é de ele assumir de forma sem dúvida original, mas numa linha de continuidade, os traços de um certo ideário jesuítico. Isso passa sobretudo pela preparação intelectual e teológica, por uma certa consistência no fazer e no conduzir da vida da Igreja e pelo ascetismo da própria figura. A cultura jesuítica conjuga uma grande capacidade de estar no mundo com uma desconfiança do poder e do efeito do poder sobre a personalidade. Isso está concretizado nele, ao pé de uma grande combatividade. Ele teve de passar por situações muito difíceis, como o convívio com uma ditadura, a transição para uma democracia com características próprias, uma guerra, para além de dificuldades internas, como o dossier da Teologia da Libertação e o modo como dividiu a Companhia de Jesus na Argentina.

As questões das ligações à ditadura e da Teologia da Libertação estão precisamente no centro das críticas que têm sido feitas ao passado do Papa.

Em relação à Teologia da Libertação, ele é crítico de uma linha mais militante, contestando a utilização das categorias marxistas e a emergência de uma igreja popular e o efeito que isso poderia ter no interior do catolicismo. Mas, ao mesmo tempo, não se coloca numa posição conservadora clássica. Não vivendo o ideário da Teologia da Libertação, ele acaba tendo uma prática que vai muito ao encontro do horizonte que essa teologia perseguia, uma igreja pobre e capaz de fazer uma opção de trabalho de defesa dos mais pobres. A biografia dele é uma evidência dessa opção.

E quanto à ditadura?

São mesmo grandes defensores dos direitos do Homem e que foram grandes opositores à ditadura que defendem a inocência do cardeal Bergoglio. Sem dúvida que houve às vezes um papel muito pouco claro da Igreja argentina em relação à ditadura, muitas vezes até um conluio. E por isso o próprio cardeal Bergoglio, enquanto arcebispo de Buenos Aires, insistiu para que a Igreja argentina pedisse perdão por não ter tido um papel evangélico na ditadura e ter cedido muitas vezes aos militares. Mas em relação ao papel dele, há de facto essas acusações, que voltam a emergir, mas encontramos em nomes que não têm a ver com o espaço católico uma defesa do papel que o cardeal Bergoglio desempenhou.

A opção pelos pobres tem também a ver com a escolha do nome Francisco.

Estávamos a falar da raiz jesuíta e dessa dimensão franciscana. Ele próprio contou como chegou ao nome Francisco, o que foi mais uma surpresa destes dias. Há um remontar a essa inspiração e por aqui se vê como essa dimensão do carisma vai desempenhar um papel fundamental neste pontificado. Citar a personagem de Francisco de Assis é citar um carismático e alguém que revoluciona a igreja do seu tempo pelo elogio da pobreza, por um cristianismo muito mais aberto, mais ligado a uma poética do querer do que a uma afirmação ligada ao poder. Por isso é impossível não ler a escolha do nome Francisco como a escolha de um programa, de um projecto. É disso que estamos à espera.

Até que ponto ele vai ter coragem para reformar a Cúria e enfrentar estes escândalos que a Igreja enfrenta, como a pedofilia ou a corrupção?

Como é que se reforma uma realidade tão complexa e tão vasta como a Igreja? Não é por decreto, certamente. Mas a grande reforma acontece pela emergência de um novo modelo, de uma nova gramática, de um novo paradigma. E penso que é aí, na criação de um novo exemplo, que ele vai investir tudo.

Que mudanças julga serem prioritárias neste momento?

Eu diria cinco mudanças. A primeira é uma mudança de comunicação. A Igreja Católica precisa de um projecto de comunicação, que não é da ordem do marketing, mas uma capacidade de tornar legível e perceptível o que ela é e de apostar muito mais numa comunicação directa. Mesmo o cristão médio, com formação, tem dificuldade em ler uma encíclica do Papa. Há um défice de autocompreensão no interior da Igreja. Às vezes parece que a Igreja não precisa de se fazer entender, mas precisa. Este esforço é muito um esforço de tradução.

Não é só um esforço de mediação, é um problema que vem de dentro.

Sim, é algo que tem a ver com a cultura interna e também um problema de fora. Depois há um problema de estruturação, que nos leva ao segundo desafio, que é o da comunhão, encontrar um modelo de cooperação mais comunional entre Roma e as dioceses, valorizar mais o papel das conferências episcopais. O terceiro desafio parece-me ser o da relação da Igreja com o mundo, a Igreja ser capaz novamente de fazer aquele exercício que a Gaudium et Spes fazia no Concílio Vaticano II [documento do Concílio sobre as relações entre a Igreja e o mundo]: perguntar ao mundo o que espera da Igreja e colocar-se numa posição de diálogo de proximidade com o mundo, procurando compreender. O que tem sido o projecto do Átrio dos Gentios tem de contaminar a evangelização e o modo como a Igreja se situa no mundo, que tem de ser muito mais uma escuta mútua. A Igreja tem de entrar num tempo de audição do mundo para poder dimensionar a proposta que faz. O quarto grande desafio é a igreja ser capaz de dialogar com as culturas juvenis emergentes. Os jovens são talvez aqueles que protagonizam mais radicalmente a emergência de uma nova época. São nativos digitais. Têm outra cultura e outra maneira de pensar o humano e a Igreja para se renovar precisa de acompanhar as novas culturas juvenis. O outro grande desafio é o da esperança. O respaldo destas palavras do Papa, quando diz não tenham medo da bondade, é extraordinário. A grande missão da Igreja é devolver ao oceano gelado do nosso coração uma palavra de esperança e ser capaz de ser serva da esperança. Estes desafios ligam-se a tudo o resto, porque há um tempo para acorrer às dificuldades concretas, mas a Igreja não precisa só de correcção, precisa também de inspiração.

A correcção não é necessária de maneira a que a Igreja seja um exemplo?

A correcção faz-se de duas formas. Uma é olhar sem medo para ela e esse tem sido o exercício da Igreja. Bento XVI introduziu essa cultura interna que levou a tantos gestos com uma objectividade muito grande na denúncia, na aceitação do mal, do pecado da Igreja. Quando vinha no avião para Portugal o Papa Bento XVI dizia que o grande inimigo não é externo, mas interno, está na dificuldade que a Igreja tem de ser fiel. Não quer dizer que os problemas tenham terminado, mas há uma coragem de olhar que é importante. É preciso manter isso bem vivo, mas o Papa não é um polícia moral. Ele tem de ser um inspirador que cria uma grande exigência que tem de vir pela positiva e não simplesmente por uma moralização pela moralização. A Igreja precisa de horizontes, de ser mobilizada para uma palavra que a levante de um certo marasmo.

Existe um desejo de mudança a nível interno? Por um lado, da organização política do Vaticano para que haja uma maior abertura e, por outro, uma mudança, por exemplo, no modo como as mulheres estão representadas dentro da estrutura da Igreja?

A internacionalização é já uma realidade na Cúria Romana que é exemplar. A Igreja na sua diversidade geográfica está muito representada na Cúria, mais do que em organismos internacionais onde se sente a força de uma geografia. Há cardeais e altos funcionários que pertencem a igrejas muito diferentes. Há um certo tipo de representatividade que já existe. Outro é a necessidade de fazer aberturas. Uma muito importante é que as mulheres estejam mais presentes nos vários organismos da Cúria. Hoje há um ou outro caso, mas é muito importante que se passe do carácter extraordinário para uma normalidade.

E a questão da ordenação das mulheres?

Essa é uma questão que penso que não se coloca. A questão está fechada, mas a Igreja é fiel ao Espírito e ao que este lhe vai dizendo e vive num processo de renovação permanente. Este é o nosso presente. A questão é saber se as mulheres – que são sem dúvida a maioria dos católicos -, se os seus pontos de vista, a sua sensibilidade e cultura não deve estar mais representada na governança e nos fóruns de reflexão permanente que a Santa Sé tem e até na representação da Igreja. Há caminhos novos para ponderar, para reflectir e acredito que se dêem passos nesse sentido.

Por que é que a Igreja diocesana está mais representada na Cúria do que as ordens religiosas?

Na Cúria as ordens estão muito representadas, assim como os movimentos.

Mas os cardeais são maioritariamente diocesanos.

Têm de ser extrapartes. É preciso uma espécie de independência ou neutralidade para abraçar a diversidade que é o corpo da Igreja. Este Papa é jesuíta mas agora é o Papa.

Um Papa que anseia por uma Igreja para os pobres pode tolerar um banco que é acusado de lavagem de dinheiro?

Uma coisa são as acusações e há sempre uma grande espuma em torno destas instituições – o Instituto das Obras Religiosas (IOR) e o Banco do Vaticano. Outra coisa é o esforço que se faz no sentido de afirmar uma lógica de transparência. É verdade que o dinheiro é o dinheiro, sempre, e que passa por muitas mãos. O circuito do dinheiro é algo que ninguém pode garantir. Mas o Banco do Vaticano não é um bando de gangsters financeiros e há uma obrigação de transparência de métodos. Penso que o escrutínio que é feito ao banco é de tal ordem que não vejo como seja possível manter, para lá dos romances que se escrevem, uma instituição sem transparência.

Neste tempo em que se vive tanto a austeridade, a Igreja não está obrigada a mudar em questões como essa?

A Igreja está a mudar. O que vimos estes anos é um grande desejo que é muito claro.

A Igreja está disposta a mudar em questões como o divórcio?

A ideia da Igreja sobre o casamento é uma proposta que tem séculos, que vem da mensagem do próprio Cristo, que corresponde a um ideal que os cristãos são convidados a viver e acredito na sua perenidade. A questão que se tem colocado é o acolhimento pastoral dos recasados. Não é uma questão fechada, está aberta e que os bispos pedem que se reflicta e que certamente vai encontrar continuidade.

O cardeal Carlo Maria Martini, falecido em 2012, escreveu que a Igreja está 200 anos atrasada. Como se recupera esse atraso?

Às vezes pode ser um minuto! Porque são tempos simbólicos. O cardeal Martini era um grande profeta da Igreja contemporânea, e tinha muito no seu coração a necessidade de uma audição do tempo presente e às vezes parece que essa comunicação falha. Mas esses 200 anos podem ser resolvidos num pontificado. Este é um momento muito rico da história da Igreja porque é de auto-reflexão do que a Igreja é e do que é chamada a ser. Com todas as suas fragilidades este é um momento de Primavera para a Igreja porque se sente uma germinação interna, que há uma vontade de, mais do que mudar, de ser e essa é uma âncora do futuro da Igreja.

O Papa Francisco já deu sinais que o diálogo religioso é para continuar. No contexto em que estamos, o que é mais importante neste domínio?

Penso que os últimos três Papas, desde João Paulo II, deram um impulso muito grande ao diálogo com as outras igrejas cristãs em relação às quais as diferenças são mais de organização do que de fundo ou teológicas. Penso que a unidade não deve ser de unanimidade, é uma unidade que há-de ser sempre polifónica. Porque a diversidade dos caminhos é uma riqueza para dizer quem é Deus. O divino é uma cantata não é uma melodia.

Os pobres de que fala o Papa são as vítimas da austeridade e da crise ou são os pobres das Bem-Aventuranças?

São os dois. No programa pastoral do arcebispo de Buenos Aires era muito importante a denúncia dos excessos do neoliberalismo e de um modelo de economia que se basta a si mesmo e para o qual as pessoas são indiferentes – se estas ficam mais pobres, se sofrem mais, se o desemprego aumenta – porque o importante são os jogos financeiros. Na Argentina, a voz de Bergoglio fazia-se ouvir de forma muito intensa, muito concreta, chamando as coisas pelos nomes e o Papa Francisco vai continuar a fazê-lo porque esta situação vai agravar-se. Ele já pediu aos economistas para que pensam uma economia que tenha como fim a humanidade e não seja um fim em si mesma, que proteja os humanos. Antes de tudo, no seu discurso os pobres são literalmente os pobres e depois são todas as pobrezas. Porque todos somos seres feridos, temos pobrezas, carências – a procura de Deus é também uma inquietação, uma sede, uma fome, a fome de sentido, de razões de viver. Tudo isso mostra a pobreza da condição humana com a qual Igreja tem de dialogar.

No caso da Igreja portuguesa que papel deve desempenhar? 

A Igreja tem desempenhado um papel de suporte aos mais pobres, às camadas mais vulneráveis da nossa população, mantendo uma rede de auxílio, de proximidade, de assistência. Activando a consciência social dos cristãos para a partilha. Sem esta rede a situação seria muito mais catastrófica. Esta rede tem sido vital para a paz social. Há gente a cair na rua mas o número é menor porque existe esta rede. Mas a Igreja é chamada também a um papel mais activo na exigência que se chegue a um novo modelo de economia, a uma prática porque o seu papel é também o de afirmar, por um lado a dimensão prática, por outro o que ela implica em termos de projecto. Que economia queremos? O que está em causa? A Igreja é chamada a fazer ouvir o seu património, as grandes linhas das Doutrina Social da Igreja.

E a Universidade Católica Portuguesa (UCP), de onde saíram tantos gestores e políticos que dão a cara por políticas neoliberais? Não é preciso rever também o seu curso de Economia?

Em todos os cursos se ensina Doutrina Social da Igreja. De maneira que esta não é estranha aos ouvidos dos formados na UCP. Tem uma grande responsabilidade social que passa por formação de uma competência muito grande nas áreas científicas. Essa excelência formativa é reconhecida no prestígio que a UCP tem mas, sem dúvida, que é um desafio interno e que tem estado na agenda o facto de ser “católica” e de não ser apenas um adjectivo que traz no nome, sem corresponder a uma matriz.

Assistimos a um esvaziamento das políticas culturais por causa da crise. Não vê uma institucionalização do empobrecimento?

Vejo um perigo muito grande porque é em épocas em que a luta pela sobrevivência se impõe que esta tem de ser pela inteireza. Precisamos de pão mas também de razões de esperança para viver, precisamos de sentido, da beleza da arte, do teatro, do cinema, da literatura. Precisamos de pão e de rosas. A questão é que, muitas vezes, os valores de que se estão a falar para o apoio à cultura são insignificantes quando comparados com aquilo que se gasta noutras áreas.

Escreveu um poema para Bento XVI. Já começou a escrever para Francisco?

O Papa Francisco é que começou a escrever um poema para nós e esse eu já comecei a ouvir.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s