As sete palavras de Jesus na cruz

AS SETE PALAVRAS

DE JESUS NA CRUZ

©Ángel Peña MartínOs quatro evangelistas narram-nos a morte de Jesus na Cruz. Trata-se de algo fundamental. Entre os detalhes que nos oferecem há sete frases pronunciadas por Jesus antes de expirar. Estão dispersas entre os quatro evangelhos, mas a tradição ordenou-as a partir de três planos ou olhares do crucificado.

O primeiro olhar inclui as três primeiras palavras e recai sobre os que rodeiam Jesus: os seus verdugos, os criminosos crucificados junto d’Ele e aqueles que O acompanham, entre os quais se destacam o seu amigo João e sua mãe Maria. O segundo olhar inclui as duas palavras seguintes e recai sobre Ele mesmo: menciona a sua terrível solidão e o sofrimento físico da sede. Finalmente, o terceiro olhar vai dirigido a Deus Pai e inclui as duas últimas palavras pronunciadas segundos antes de morrer: já tudo está cumprido, encomenda-se a Deus seu Pai.

Primeira Palavra

“PAI, PERDOA-LHES

PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM”(Lc 23, 34)

Jesus põe em prática o que tantas vezes tinha repetido: “Amai os vossos inimigos e rezai pelos que vos perseguem” (Mt 5, 44), “Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam” (Lc 6, 27-35). Certamente está a pensar nos seus verdugos, no traidor Judas, nas autoridades religiosas, Anás e Caifás, e civis, Pilatos e Herodes. Mas, no fundo, pede perdão pelo mundo inteiro, incluídos todos nós. Por isso, Jesus não concretiza: porque quer tornar extensivo o perdão à humanidade inteira. E baseia o perdão não na bondade de Deus ou no seu próprio sacrifício, mas na nossa ignorância, na nossa debilidade. Assim o constatou o evangelista João: “Deus não enviou o seu Filho ao mundo para julgar o mundo, mas para o salvar” (Jo 3, 17).

Segunda Palavra

“EM VERDADE TE DIGO:

HOJE ESTARÁS COMIGO NO PARAÍSO” (Lc 23, 43)

No Calvário as três cruzes pareciam idênticas, para os que o observaram de longe os três crucificados morriam de igual modo. Mas os que o vêem de perto dão-se conta que um deles, Jesus, dá a salvação; o crucificado à direita recebe-a; o terceiro, crucificado à esquerda, recusa-a. A pena foi a mesma para os três, mas todos morreram por causa diversa. Tem um grande mérito o criminoso arrependido, a quem piedosamente temos chamado “bom ladrão”, que no meio de tanto suplício e de tanto sangue, é capaz de reconhecer naquele crucificado, aparentemente fracassado, um Rei vitorioso. Por isso as suas palavras: “Lembra-te de mim quando estiveres no teu reino” são, na realidade, uma profissão de fé. Merecerão a promessa da vida eterna.

Terceira Palavra

“MÃE, EIS O TEU FILHO.

FILHO, EIS A TUA MÃE” (Jo 19, 26-27)

Aos familiares era-lhes permitido estar próximo dos crucificados. Jesus, depois de Se ocupar dos verdugos e dos criminosos justiçados com Ele, fixa-Se na sua Mãe e nos discípulo mais amado. Se ao longo da sua vida pública se diria que Jesus se tinha afastado de sua Mãe, se nas bodas de Caná lhe tinha dito: “Que temos que ver, tu e Eu, mulher? Ainda não chegou a minha hora” (Jo 2, 3), agora trá-la para primeiro plano. É evidente que agora há muito mais que preocupar-se pelo futuro material de sua Mãe, deixando nas mãos de João o seu cuidado. Desde cedo, os cristãos viram em João representada toda a humanidade e, mais em concreto, a Igreja nascente. É a esta Igreja e a esta humanidade que se lhes dá uma Mãe espiritual. Maria recebe como uma segunda anunciação: são-lhe confiados como filhos os que são os assassinos do seu primogénito.

Quarta Palavra

“MEU DEUS, MEU DEUS, PORQUE ME ABANDONASTE?”(Mc 15, 34)

Jesus foi crucificado pelo meio-dia. Apesar disso, “as trevas cobriram toda a terra” (Lc 23, 44). Assim tinha que ser: ia-se a luz, quando agonizava aquele que era a luz do mundo. Ao aproximar-se a morte, grita estas palavras em hebraico, que o evangelista traduz a seguir. Exprime com um texto do salmo 21 a sua profunda solidão. Grito que tem mais de oração que de desespero. A sua menção do nome de Deus “Elohi”, é para os seus  verdugos motivo de mofa, pois crêem que invoca o profeta Elias (cf. Mt 27, 47). E tudo lhes pareceu muito divertido; o que demonstra que não entendiam nada.

Quinta Palavra

“TENHO SEDE” (Jo 19, 28)

Esta quinta palavra deve ter sido pronunciada quase imediatamente após a quarta e no meio das zombarias dos soldados. Jesus continuava plenamente lúcido e, porventura, prosseguindo a recitação do salmo 21, chegou ao versículo 16 que diz: “Seca está como uma telha a minha garganta e a minha língua está pegada ao palato”. Tinha motivos suficientes para exprimir a sua sede física! Trata-se da prova definitiva de que está a morrer de uma morte verdadeira, de que na cruz há um homem, não um fantasma. Os soldados continuam a zombar, e, um deles, levado certamente pela compaixão, oferece-lhe água e vinagre. Assim se cumpre outra passagem dos salmos: “Na minha sede deram-me a beber vinagre” (Sal 68, 22).

Sexta Palavra

“TUDO ESTÁ CONSUMADO”(Jo 19, 30)

Jesus dirigiu-se aos que estavam à sua volta com três frases e referiu-se a Si mesmo com mais duas. Agora, as duas últimas vão dirigidas ao seu Pai do Céu. Ele tinha dito: “Eu desci do Céu para fazer, não a minha vontade, mas a d’Aquele que Me enviou” (Jo 6, 38). Assim reconhece que, apesar de ter vivido só 33 anos, a sua vida já está cheia; não necessita de mais um dia. Tudo estava consumado; tudo estava cumprido.

Sétima Palavra

“Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”(Lc 23, 46)

Finalmente, Jesus abandona-Se nas mãos de seu Pai. Já está tudo cumprido, só restava morrer. E isto o aceita com agrado e livremente. Se uma das insistências da sua mensagem foi a de chamar a Deus “Abba” (Pai) e uma das características foi a de confiar plenamente n’Ele, as suas palavras finais consistem em colocar-Se nas suas mãos. Porque Se sabe acolhido nelas. As mãos de Deus são salvação. Não foram feitas para condenar, mas para salvar. As mãos de Deus são ressurreição. Ele não é o Deus de mortos, mas de vivos. Ele não sabe dar morte, mas vida. Como Cristo.


Um Comentário

  1. Pingback: As sete palavras de Jesus na cruz | Centro Espiritualida de Betania, scj


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s