40 dias de quaresma: Quinta-feira da Semana Santa

Restolho, uma canção para este tempo.

«Mas é preciso morrer e nascer de novo
semear no pó e voltar a colher
há que ser trigo, depois ser restolho
há que penar para aprender a viver

e a vida não é existir sem mais nada
a vida não é dia sim, dia não
é feita em cada entrega alucinada
prá receber daquilo que aumenta o coração…»

A letra da música «Restolho» de Mafalda Veiga reflecte o ciclo existencial de vida e morte. Desde que nascemos estamos num processo contínuo de recriação: morrer para viver. O fim de um percurso significa, portanto, o início de uma nova etapa.

A aceitação da morte como possibilidade de uma nova vida está patente no Cristianismo. Ela ocupa um lugar central na nossa Fé. Acreditamos num Deus feito Homem que, tal como o Restolho, aceitou morrer para abrir caminhos de vida para todos os homens.

Santa Páscoa.

Pensamento do Pe. Nélio Pita

Anúncios

40 dias de quaresma: Quarta-feira da Semana Santa

© Ewan Adamson

© Ewan Adamson

Quem dera eu aprendesse a viver cada dia como se fosse o último.
O último para dizer “obrigado”. O último para dizer “me desculpa”. O último para dizer “eu te amo”.
O último para abraçar cada pessoa amada com aquele abraço bom que faz um coração cantar para o outro.
… O último para apreciar a vida com o entusiasmo que não guarda nenhuma delícia nem ternura para depois.
O último para fazer as pazes. Para desfazer enganos.
Para saborear com calma, como se me servissem um banquete, a preciosidade genuína que cada único respiro humano representa…
Quem dera eu aprendesse a viver cada dia como se fosse o último. Eu não perderia uma chance para me presentear com os agrados que me nutrem.
Eu criaria mais oportunidades para dizer o meu amor.
Para expressar a minha admiração.
Para destacar para cada pessoa a beleza singular que ela tem. Para compartilhar.
Eu não adiaria delicadezas. Não pouparia compreensão.
Não desperdiçaria energia com perigos imaginários e com uma série de bobagens que só me afastam da vida.
Quem dera eu aprendesse a viver cada dia como se fosse o último, porque pode ser.

Pensamento de Zimbórios

40 dias de quaresma: Terça-feira da Semana Santa

[youtube http://youtu.be/UMrmUpNpC70]

Não se pode viver a Semana Santa sem Amor, tentando não cair em perigos de quantificações, se se ama menos ou mais, deixando-se ficar pelo simples amar. Seria uma semana estranha, vazia, oca e desnecessária se não tivesse essa carga do amor tão intenso e incompreensível. Aqui tocamos a subtileza da fé que, em modo de nardo puro, se espalha pela vida humana se abrimos o coração a esse Mistério. A dor só pode ser vivida pela certeza de um Amor mais forte.

[Esta música escutei-a hoje, enquanto rezava a proposta do passo-a-rezar.net para o dia de hoje]
Meditação de Paulo,sj

40 dias de quaresma: Segunda-feira da Semana Santa

©Nesiho Asiraki

©Nesiho Asiraki

Prepara-se o caminho da Morte e da Ressurreição. Mas antes, mais uma vez a revelação do sentido de tudo o que aconteceu e vai acontecer: o serviço. A credibilidade de Jesus surge, entre outras coisas, porque amou, em gestos e palavras, de modo especial os oprimidos e aqueles que não correspondiam aos parâmetros da época. Quem deseja um poder que exclui, separa ou anula o que lhe pode fazer sombra (mesmo em nome da fé), não compreende, nem vive, o dia que celebramos hoje. Jesus é Rei e Senhor “que veio para servir e não para ser servido”… o suficiente para baralhar qualquer sistema.

Pensamento de Paulo,sj

DOMINGO DE RAMOS NA PAIXÃO DO SENHOR

“Ele passou por mim e sorriu,
e a chuva parou de cair,
o meu bairro feio tornou-se perfeito,
e o monte de entulho, um jardim.
O charco inquinado voltou a ser lago,
e o peixe ao contrário virou.
(…)
Sei que a chuva é grossa, que entope a fossa,
que o amor é curto e deixa mossa,
mas quero voar, por favor!”

Deolinda | Passou Por Mim e Sorriu

©Catarina Pereira

©Catarina Pereira

Com o DOMINGO DE RAMOS, INICIAMOS A SEMANA SANTA. Na liturgia deste DOMINGO tão especial unimo-nos ao Povo de Jerusalém, que aclama alegre e feliz: “Hosana ao Filho de Davi” e depois somos introduzidos à Semana Santa.

Este ano o Evangelho convida-nos a contemplar a PAIXÃO e Morte de Jesus, segundo a narrativa de Lucas. (Lc 22, 1-49). Como entender O Sentido da Paixão e Morte de Jesus? Sobretudo no contexto daquilo que foi a sua vida. Desde cedo, Jesus percebeu que o Pai o chamava a uma missão: Anunciar a Boa Nova aos pobres e pôr em liberdade os oprimidos. Para concretizar este projeto, Jesus passou pelos caminhos da Palestina, “fazendo o bem” e anunciando um mundo novo de vida, de liberdade, de paz e de amor para todos.

Celebrar a Paixão e Morte de Jesus é abismar-se na contemplação de um Deus a quem o amor tornou frágil… Por amor, ele veio ao nosso encontro, assumiu os nossos limites, experimentou a fome, o sono, o cansaço, as tentações, tremeu perante a morte, suou sangue antes de aceitar a vontade do Pai; e, estendido no chão, esmagado contra a terra, traído, abandonado, incompreendido, continuou a amar.

SOMOS CONVIDADOS A COMEÇAR A SEMANA SANTA, EM FAMÍLIA, COM UM NOVO ARDOR… CAMINHEMOS ATÉ A PÁSCOA COM AMOR. SIM,  sabemos “que a chuva é grossa, que entope a fossa, mas o amor pode ser PARA SEMPRE e “deixa mossa” PARA VOARMOS, “queremos voar, por favor!”.

INTIMIDADE E TRAIÇÃO!

Entrada de Jesus em Jerusalém celebrada no Domingo de ramos©Pietro Lorenzetti - Basílica de São Francisco, Assis.

Entrada de Jesus em Jerusalém celebrada no Domingo de Ramos
©Pietro Lorenzetti – Basílica de São Francisco, Assis.

1. Baptizado com o Espírito Santo no Jordão, confirmado com o Espírito Santo no Tabor, Jesus realizou a sua missão filial baptismal anunciando o Evangelho do Reino de Deus e fazendo as suas «obras». A sua «viagem» chega agora ao fim, na Judeia, em Jerusalém, onde o seu Baptismo deve(plano divino) ser consumado (ainda Lc 12,49-50) na sua Morte Gloriosa: única Fonte do Espírito Santo para nós (sempre Act 2,32-33; Jo 19,30 e 34; 7,38-39). A missão filial baptismal do Filho de Deus finalmente consumada! É que fomos, de facto, baptizados na sua Morte (Rm 6,3-4), e, com Ele, fomos já «com-sepultados», «com-ressuscitadoss», «com-vivificados» e «com-sentados» na Glória! (Ef 2,5-6; Cl 2,12-13: tudo verbos cunhados por Paulo e postos em aoristo (passado) histórico!). Formamos, por isso, «a Igreja que Ele amou» (Ef 2,25). A este amor de Cristo pela Igreja chama Paulo «o mistério grande» (Ef 5,32). Nós, a Igreja do amor de Cristo, somos, portanto, a Esposa bela, a nova Jerusalém (Ap 19,7-9; 21,2 e 9-10) que, juntamente com o Espírito, diz ao Senhor Jesus: Vem! (Ap 22,17).

 2. É esta Igreja bela, porque incondicionalmente amada, que acolhe hoje, Domingo de Ramos na Paixão do Senhor, com o coração em festa, o seu Senhor (Lucas 19,28-40), gritando jubilosamente: «Bendito o que vem em nome do senhor!».

 3. Acolhe-o jubilosamente, para depois discipularmente o seguir nos seus passos decisivos, de que aqui salientamos apenas alguns momentos. A partir do cenário apresentado no ponto 5., todos os dados são exclusivos de Lucas. Continuar a ler

40 dias de quaresma: Sábado da semana V

Escutando no vento
 Tua voz secreta
 Que me sopra por dentro
 Deixa-me ser só seu
 No teu colo eu me entrego,
 Para que me nutras
 E me envolvas
 Deixa-me ser só seu

Sara Tavares, Um ponto de luz

©Alex Wolkowicz

©Alex Wolkowicz

A Quaresma é caminho de libertação do que nos separa de Deus para chegar, a partir da morte e Ressurreição de Jesus, ao encontro com a vida divina. Isto é algo grande e ao mesmo tempo simples a partir da nossa história, do nosso nome: Deus conhece cada pessoa pelo seu nome. Temos sempre uma identidade com Deus, que se O escuto pode mudar. Ou seja, quando há uma disposição de coração, dá-se o encontro e entende-se a missão, a chamada, a vocação que Deus tem para cada ser humano. Assim, que este tempo que nos aproxima da Semana Santa seja ainda tempo para abrir o coração às mudanças que Deus convida e, “não apanhando pedras para atirar a Jesus” e a mais ninguém, seja oportunidade de escutá-Lo: “eu existo, no entanto, o meu existir é tão humilde que te peço colaboração para dar vida às pessoas que se aproximam de ti”.

Pensamento de Paulo,sj

40 dias de quaresma: Sexta-feira da semana V

“Se você dormiu bem, se você comeu bem
Se você quer o bem de uma boa pessoa...
Nessas manhãs de frio, quando a geada pinta a grama,
E o azul do céu é de uma beleza que caçoa.
Quando nada, nada, te faria tirar o pijama ...
É a voz  do teu amor que chama agora...”

 

A Banda Mais Bonita da Cidade

©Javi Inchusta

©Javi Inchusta

 

“Pouco a pouco, acostumamo-nos a escutar e a ver, pelos meios de comunicação, as notícias da sociedade contemporânea apresentadas quase com uma alegria perversa… O drama está nas ruas, nos bairros e nas nossas casas; e porque não nos nossos corações? (…)

A Quaresma apresenta-se-nos como grito de verdade e esperança, uma vez que vem respondendo que sim, que não é necessário maquilharmo-nos, desenhar sorrisos de plásticos como se nada tivesse acontecido. Sim, é possível que tudo seja novo e diferente, porque Deus continua a ser “rico em bondade e misericórdia, sempre pronto a perdoar” e encoraja-nos a começar sempre. Hoje, novamente somos convidados a realizar uma peregrinação Pascal para a vida, caminho que inclui a cruz e a renúncia; que vai ser desconfortável, mas não estéril. Somos convidados a reconhecer que algo não está bem em nós mesmos, na sociedade ou até mesmo na Igreja para que nos possamos converter”.

In Mensagem quaresmal do Cardeal Bergoglio, Papa Francisco

Que voz esta, a do Teu amor, que nos acorda, nos desperta, nos desafia!!! Que nos pede que olhemos uns pelos outros… Que nos grita por uma Igreja pobre para os pobres… Que, como a Francisco, nos chama a reparar as nossas ruínas… Que nos recorda que pelas obras acreditarão que vives em nós…

Hoje é um Bom Dia para ESCUTAR A VOZ DO TEU AMOR… e recomeçar!!!

40 dias de quaresma: Quinta-feira da semana V

Sei que posso fazer tudo,
 Mas nem tudo me convém
 Tenho liberdade p'ra viver
 A minha vida mal ou bem.
 Sei que posso fazer tudo,
 Mas nem tudo me convém.
 O que escolho fazer hoje
 Vou vivê-lo amanhã.

Sara Tavares, Escolhas

© Mário Dias

© Mário Dias

«Se Eu me glorificar a mim mesmo, a minha glória nada valerá. Quem me glorifica é o meu Pai, de quem dizeis: ‘É o nosso Deus’; e, no entanto, não o conheceis. Eu é que o conheço; se dissesse que não o conhecia, seria como vós: um mentiroso. Mas Eu conheço-o e observo a sua palavra. Abraão, vosso pai, exultou pensando em ver o meu dia; viu-o e ficou feliz.» Jo 8, 54-56

40 dias de quaresma: Quarta-feira da semana V

Se não somos cegos
se não somos surdos
se formos abertos
podemos compreender
que os nossos interesses 
são múltiplos,
infinitos
que se sobrepõem
e se lateralizam
numa multiplicação constante
que nos torna pertença do mundo
e nos proíbe de olhar só para nós
enquanto andarmos por aqui
entre o céu e o chão.

Tim, Entre o céu e o chão

© JC Vogt

© JC Vogt

“Não que já o tenha alcançado ou já seja perfeito; mas corro, para ver se o alcanço, já que fui alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, não me julgo como se já o tivesse alcançado. Mas uma coisa faço: esquecendo-me daquilo que está para trás e lançando-me para o que vem à frente, corro em direcção à meta, para o prémio a que Deus, lá do alto, nos chama em Cristo Jesus”. (Filipenses 3, 12-14)